sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Mapa do Aborto

Eu não praticaria aborto, com excessão em caso de estupro, porque não me faltam condições mentais, físicas ou econômicas para dar suporte a uma nova vida.

No entanto, há situações muito diferentes da minha e que não posso julgar.






Enquanto a proibição do aborto persistir no Brasil, vamos ver crianças abandonadas, maltratadas, mal educadas, mal amadas, que produzem mais crianças abandonadas, maltratadas, mal educadas, mal amadas, que produzem mais crianças...que produzem...que produzem...

Na minha opinião, defender a vida é suportá-la com amor e principalmente com educação. Sendo assim, o governo só poderia defender a proibição do aborto caso assegurasse isso a todas as vidas que chegassem a esse país. No entanto, é incapaz e logo, deveria deixar essa decisão para os indivíduos que geram e sabem se são ou não capazes de darem suporte a uma nova vida.

Não é atoa que os países com maior índice de criminalidade e pobreza, ou os que culturamente praticam discriminação são também os que defendem a criminalização do aborto ( veja em vermelho no mapa).

Além disso, a prática ilegal do aborto é frequente no país e por ser ilegal custa mais caro doque deveria. Com isso, só as classes mais altas, supostamente mais educadas e conscientes do assunto é que tem acesso as clínicas que oferecem o serviço seguro.

Já mulheres ou meninas menos favorecidas que muitas vezes ignoram ou não tem acesso aos meios de prevenção a gravidez, se vêem obrigadas a terem filhos, para os quais serão incapazes dar o tão importante suporte.





Então os abandonam ao Deus dará , sujeitos a uma vida indigna, de descaso, de falta de amor, falta de educação e de oportunidades, que gera mais pobreza, criminalinade e mais filhos, que geram mais filhos da pobreza e da falta da clareza de espírito.

Adriana Torres

3 comentários:

Grace disse...

nice pics. i'm inviting you to visit my blog and enjoy. thanks.

Santiago Chiva, Granada disse...

Este vídeo foi feito para fomentar uma maior aceitação social das crianças na Alemanha. Foi realizado por diversos meios de comunicação privados, dentro de uma campanha que contou com o apoio de personalidades da vida pública, apresentadores de televisão e esportistas que não cobraram cachê pela sua participação. Também receberam o apoio de importantes grupos editoriais e financeiros. Desde a liberalização do aborto no país os dados oficiais falam de quatro milhões de abortos, e não é leviano dizer que a cifra real seja o dobro. Este clima tem provocado que as crianças sejam valorizadas como um efeito não desejado do prazer sexual. Curiosamente, depois da campanha, a natalidade tem crescido na Alemanha. O vídeo é emocionante. Olha aquí: http://es.youtube.com/watch?v=pJtlrYmZe6Y
Santiago Chiva (Granada, Espanha)

Adriana e Henrique disse...

Olá Santiago,
Muito interessante o video.
Não só a Alemanhã como vários outros países europeus estão vendo suas taxas de natalidade diminuir ano a ano.
Nesses países esse video é muito útil por concientizar as pessoas a investirem sua renda em novas vidas.
Em países como o Brasil um video diferente deveria ser veiculado. Esse video deveria incentivar as pessoas a se planejarem para terem o número de filhos possíveis dentro de seus orçamentos. Pois o que ocorre é que as famílias de baixa renda acabam tendo mais filhos do que conseguem suportar e as crianças acabam desassistidas,tanto por suas famílias como pelo governo.
Moro em São Paulo e ver crianças exploradas faz parte da paisagem da cidade. Muito triste.

Veja nesses videos cenas que vejjo todos os dias e que por isso estou procurando alguma solução.

http://es.youtube.com/watch?v=0V1nd5GV3HA

http://es.youtube.com/watch?v=CCs-Mv5Isi8